0

Depois de colocar veneno na mamadeira de sua filha, mulher tem destino violento na cadeia

Daniela Albertino, de apenas 19 anos, foi acusada de tentar praticar um homicídio contra sua própria filha. A jovem estava abalada pelo fim do relacionamento com o pai da criança e decidiu tomar uma atitude drástica. Daniela colocou veneno de rato na mamadeira de sua própria filha.

A criança conseguiu sobreviver graças ao seu pai, que ao saber da vingança planejada pela mãe, pegou sua filha e foi direto para o hospital mais próximo e chamou a policia para prestar queixa contra a ex-mulher. A criança precisou fazer uma lavagem no estômago para que o veneno não a prejudicasse e ficou em observação por alguns dias. Já Daniela foi levada pelos policiais para o presídio feminino do Conjunto Penal de Teixeira de Freitas, na Bahia.

A mulher foi presa enquanto aguardava o processo jurídico. O grande problema para ela foi que as outras presas ficaram sabendo da atitude inexplicável que a mãe fez com sua própria filha e não a perdoaram pelo crime, Daniela sofreu muitas agressões dentro da cela.

Alguns internautas deixaram suas opiniões sobre o caso. Muitos alegaram que uma pessoa que comete um crime contra uma criança, deveria ser punida com pena de morte. Para você, qual seria a punição ideal para esse tipo de crime?

Fonte: zipbr


LEIA TAMBÉM
loading...

O Mundo Aqui

0 Comments

  1. Acho que. Nenhum de nós,temos o direito de julgar,o que ela fez foi horrível,mais as presas tem o direito de espancar,querer fazer justiça,nenhuma delas é santa.Estão lá pq cometeram algum delito.Pra Deus não tem pecadinho,nem pecadão,o simples fato da ficar presa,vai servir p ela refletir sobre os atos dela…

  2. Não se deve fazer justiça com as próprias mãos.Deus é amor e justiça.deixe que ele se encarregue da justiça.que nunca tarda como dizem
    Ela bem na hora certa.exata.todos temos q pagar pelos nossos erros sim.quem deve tem que pagar.melhor provocar um tigre feroz do que provocar a ira do nosso Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *